Como avaliar a resiliência dos profissionais?

3 semanas atrás - por: Fernanda Fuhrmeister

Compartilhe:

Por mais que a resiliência não seja um conceito novo, até pouco tempo atrás, a maioria dos pensamentos que se tinha em relação a ela diziam respeito a questões de sobrevivência. Com o passar do tempo, no entanto, ela foi ganhando sentidos muito mais amplos, passando a ser uma competência fundamental, inclusive, nos ambientes de trabalho.

É por conta disso que, neste texto, vamos abordar qual é a importância desse conceito nos meios corporativos e, mais do que isso, como ele pode ser avaliado nos profissionais.

Ficou interessado em entender melhor? Continue conosco!

O que é a resiliência e qual é a sua importância?

Com o significado originário da física — que diz respeito à capacidade que alguns materiais têm de voltar a seus estados originais sem deformações —, a resiliência é um conceito que passou a ser empregado em diversas outras áreas.

Dessa forma — e sobretudo em um contexto de transformações sucessivas no mundo e, consequentemente, nos ambientes corporativos —, a resiliência tem sido vista como uma competência essencial. Ela diz respeito a quanto o profissional está preparado e disposto a enfrentar todas as mudanças, superando as adversidades de uma forma positiva.

Nesse sentido, caso um profissional tenha a resiliência desenvolvida, significa que ele mantém uma vantagem competitiva, é capaz de sustentar uma alta performance e não se afeta tanto diante de estresses diários.

Em suma, esses fatores não só fazem com que o profissional tenha sucesso, mas que também leve sucesso para a organização na qual está inserido.

Por que é vantajoso contar com profissionais resilientes?

Atualmente, no mundo corporativo, são muitas as tensões que passaram a afetar cada vez mais os colaboradores. Entre elas, podemos destacar:

  • cobrança contínua para a execução de serviços;

  • prazos mais curtos para finalizar tarefas;

  • clientes mais exigentes e questionadores;

  • mudanças constantes nas empresas.

Em meio a isso, com as organizações buscando resultados com a menor quantidade de investimentos possível, a presença de profissionais resilientes começou a se tornar um aspecto ainda mais providencial.

Isso porque são eles que garantem a alta produtividade mesmo em meio a imprevistos e pressões constantes.

Quais são as características de um colaborador resiliente?

O profissional resiliente não deve ser visto como aquele que não se estressa, mas sim que lida com as dificuldades do cotidiano de forma construtiva. O estresse, inclusive, pode ser entendido como um impulsionador no dia a dia dos profissionais — contanto que até um nível aceitável, evidentemente.

Quando o profissional não conta com nenhum nível de desafio, principalmente no contexto organizacional, há grandes chances de que ele fique acomodado e, consequentemente, não performe bem.

Em meio a isso, quando há um certo nível de estresse relacionado a algum desafio ou mudança, os profissionais podem atingir uma performance mais alta e se engajar mais na resolução dos problemas. Nesse contexto, a pessoa com a resiliência bem desenvolvida pode ser definida como aquela que responde de forma positiva às pressões e não se deixa abater tanto diante das dificuldades.

Quando avaliar a resiliência?

Agora que você já entendeu melhor sobre a importância da resiliência no mundo corporativo, é hora de falarmos como ela pode ser avaliada de forma efetiva.

Por mais que hoje seja comum a avaliação dessa competência no ambiente profissional, antigamente, a avaliação da resiliência era realizada apenas no contexto clínico. 

Com o passar do tempo, no entanto, foram surgindo algumas alternativas mais específicas, que passaram a tratar a resiliência como uma competência. De acordo com esse entendimento, todas as pessoas são resilientes em determinado grau e têm estratégias diferentes para responder às situações do cotidiano.

Foi nesse contexto que surgiu o Questionário de Resiliência, primeira ferramenta a ser desenvolvida especificamente para o contexto organizacional. Podendo ser aplicado para todos os profissionais da empresa, ele se destaca por avaliar a resiliência das pessoas por meio da mensuração de 8 aspectos que dizem respeito ao perfil de resiliência de cada um.

Assim, a empresa tem um parâmetro de como a pessoa tende a reagir diante de situações desafiadoras e, consequentemente, pode planejar melhores ações a partir disso.

Dessa forma, muitas instituições passaram a utilizar o Questionário de Resiliência para processos seletivos, definições de quem seria um melhor gestor, elaboração de programas de desenvolvimento, entre diversas outras aplicações.

Como funciona o Questionário de Resiliência?

Complementarmente ao que foi tratado acima, o Questionário de Resiliência é uma ferramenta totalmente online que conta com algumas questões para a avaliação do perfil de resiliência dos profissionais.

Para tanto, os participantes devem acessar um convite e responder a algumas perguntas. Após isso, são gerados alguns relatórios que indicam o perfil de resiliência com base nestes 8 componentes:

  1. autoconfiança: ter segurança em relação às condições disponíveis para lidar com diferentes situações;

  2. otimismo: ser dotado de uma visão positiva da vida e acreditar que as coisas darão certo;

  3. direção com propósito: contar com uma direção clara do que seguir e manter-se comprometido a alcançar os objetivos;

  4. adaptabilidade: ser capaz de mudar e ficar confortável em relação às alterações de determinados planos;

  5. criatividade: pensar sobre as várias maneiras para resolver os problemas e ser ágil em identificar soluções;

  6. orientação para o desafio: ver situações difíceis como oportunidades de desenvolvimento e buscá-las ativamente com objetivo de se aprimorar;

  7. controle emocional: manter a calma mesmo em situações difíceis;

  8. busca de apoio: conseguir perceber que as respostas não estão somente em si mesmo, se sentir confortável para falar com os outros e buscar recursos quando estiver em dificuldade.

Depois que o relatório é gerado, é sempre conveniente a realização de uma entrevista de devolutiva dos resultados,  seja pelos gestores ou por parte do RH das empresas. Esse momento serve para validar, justamente, a pontuação das pessoas em cada um dos componentes e refinar o processo.

Para tanto, pode-se pedir exemplos aos profissionais sobre por que cada resposta foi dada e tentar entender alguns parâmetros. Assim, o resultado pode contribuir de forma ainda mais efetiva para as ações tomadas a partir dos diagnósticos gerados.

Com que frequência ele deve ser reaplicado?

Principalmente para o desenvolvimento, o indicado é que a reaplicação ocorra no intervalo de, mais ou menos, um ano.

Como a resiliência é uma capacidade que pode ser desenvolvida, para que tenha um resultado efetivo dentro de um programa de desenvolvimento, é necessário um tempo mínimo de 6 meses para que o profissional demonstre a mudança de comportamento.

Com o coaching, que é um programa de desenvolvimento intensivo, pode acontecer que os profissionais efetivem a mudança em menos tempo.

E então, este artigo foi útil para você entender como avaliar a resiliência profissional? Assine nossa newsletter e leia mais sobre como desenvolver os colaboradores de sua empresa!

Por: Fernanda Fuhrmeister

Diretora de Operações na Grou, Psicóloga e empresária. Nasceu no dia de São Francisco, naturalmente protetora e apaixonada pelos animais. Sua missão é impactar positivamente as pessoas, através de seu trabalho.

posts do autor

Junte-se a nós e receba conteúdos e dicas incríveis para ter sucesso em seus negócios

Fale com a gente.